Mortos no Japão podem passar de 5.000, diz agência

Número oficial de vítimas do tremor é de 1.627; 450 mil deixaram suas casas

Do R7 com agências internacionais

JAPAO 0311-YOMIURI SHIMBUN-AFP

Sobrevivente é resgatado em Minamisanriku. A cidade na Província de Miyagi foi uma das mais atingidas pelo tsunami

O número de mortos no terremoto de 8,9 graus seguido do tsunami devastador da última sexta-feira (11) pode passar de 5.000. A contagem é da agência de notícias Kyodo. Nesta segunda-feira (14), autoridades da Província de Miyagi encontraram 2.000 corpos.

A agência destaca a falta de precisão no número de vítimas. O número oficial é de 1.627. Somados os 2.000 corpos encontrados pelas autoridades da Província de Miyagi, e os cerca de 300 achados em Sendai, mais as vítimas de outras localidades, o número de mortos pode passar de 5.000, segundo a agência.

Na cidade de Minamisanriku, em Miyagi (onde mil dos 2.000 corpos foram achados), cerca de 10 mil moradores estão desaparecidos – número que equivale a metade da população local. 

450 mil deixaram suas casas

Segundo a Kyodo, por volta de 450 mil pessoas tiveram que deixar suas casas desde a tragédia causada pelo terremoto e o tsunami.
Boa parte também teve de ser transferida por causa da ameaça de contaminação radioativa após explosões na central nuclear de Fukushima. Cerca de 200 mil foram retirados dos arredores da usina.

Prejuízo pode chegar a R$ 166 bilhões

Segundo a consultoria Eqecat, citada pela rede CNN, os prejuízos podem passar de U$ 100 bilhões (R$ 166 bilhões), o que faria do terremoto de 8,9 graus que atingiu o nordeste do país o mais custoso da história.

Cerca de 100 mil militares vasculham os escombros em busca de vítimas. Mais de 400 mil habitantes tiveram de deixar suas casas por causa do desastre, a maior crise do Japão desde a Segunda Guerra Mundial, segundo o primeiro-ministro, Naoto Kan.

Usina nuclear tem nova explosão

A usina nuclear de Fukushima 1 registrou mais uma explosão nesta segunda-feira, desta vez no reator três, aumentando o temor de um desastre nuclear. Segundo o governo, a possibilidade de um vazamento radioativo de alta intensidade é pequena.

Os incidentes ocorreram após a central nuclear ser danificada pelo terremoto de 8,9 graus que destruiu a costa nordeste do país na última sexta-feira (11).

Nove pessoas ficaram feridas após explosão do reator três.

Mais de 200 mil pessoas já foram retiradas de um raio de 20 km ao redor da usina. Mais de cem pessoas tiveram contato com a radiação e passam por exames para averiguar o nível de contaminação.

NOTÍCIAS NO E-MAIL

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Mais lidas

Instagram