Novo programa quer tirar da miséria 16 milhões de pessoas



O novo programa de combate à pobreza extrema do governo federal, a ser lançado ainda neste mês, concentrará suas atenções em famílias cuja renda per capita é de até R$ 70 por mês. De acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgados pela ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, nesta terça-feira (3), mais de 16 milhões de brasileiros (8,5% da população) encontram-se nessa situação, considerada de miséria, ou pobreza extrema.

Batizado pela presidente Dilma Rousseff de Brasil sem Miséria, o novo programa, cuja elaboração foi anunciada no início do ano, deve ter seus detalhes divulgados nas próximas semanas. Entre as ações já definidas pelo governo estão ações de transferência de renda, garantia de acesso a serviços públicos como educação e saúde e inclusão produtiva, ou seja, dar meios para que as pessoas em situação de pobreza consigam ter acesso a empregos e meios próprios de subsistência.

De acordo com os dados divulgados hoje pelo ministério, a miséria se concentra na zona rural. Embora apenas 15,6% da população brasileira residam em áreas rurais, entre as pessoas em situação de pobreza extrema elas representam quase metade – 46,7%, ou 7,59 milhões de um total de 16,27 milhões. Dos 29,83 milhões de brasileiros que moram no campo, um em cada quatro é extremamente pobre.

Os dados mostram ainda que, apesar de avanços recentes conquistados graças ao Bolsa Família, a região Nordeste ainda é a que mais sofre com a miséria. Das 16,27 milhões de pessoas em situação de pobreza extrema no Brasil, mais da metade – 9,61 milhões – reside nos Estados do Nordeste.

Num recorte de cor e raça, as informações demonstram que a população preta ou parda ainda é a que mais sofre com a miséria – 70,8% do total da população em pobreza extrema é preta ou parda. Já o percentual de miseráveis é maior entre os indígenas – de 817.963, 326.375 (40%) vivem com menos de R$ 70 por mês.

De acordo comTereza, os dados obtidos em parceria com o IBGE e com o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada) serão importantes para definir os detalhes do programa.

- Essas informações são fundamentais para que o governo possa terminar detalhamento para o plano que a gente vem construindo e pretende anunciar nas próximas semanas.

Já sobre o critério que será utilizado para demonstrar o êxito do programa, a ministra informou que o objetivo é tirar da linha de sobrevivência o maior número possível de pessoas. Ela afirmou que não é possível eliminar totalmente esse número, pois sempre haverá uma espécie de “resíduo”. Sobre o valor – R$ 70 -, ela disse que ele será reajustado até 2014 – quando o governo prometeu erradicar a miséria -, mas não informou por qual índice.
A secretária extraordinária de Erradicação da Pobreza do ministério, Ana Fonsenca, disse que uma parcela dessa população que está abaixo da linha da pobreza extrema já recebe Bolsa Família, mas que o benefício não é suficiente para tirar essas pessoas da miséria. Ela disse não saber informar a porcentagem dessas pessoas entre as 16,27 milhões em situação de pobreza extrema, pois isso vai depender de dados do IBGE que só serão divulgados em outubro.
Bolsa Família
O objetivo do programa é fortalecer e universalizar o Bolsa Família, que hoje atende 13 milhões de famílias e paga benefícios que variam de R$ 32 a R$ 242 mensais.

Para elaborar o novo perfil de pobreza extrema, o Ministério do Desenvolvimento Social promoveu mudanças no cadastro das famílias e pede informações complementares para quem recebem o benefício. A cada dois anos os beneficiários precisam atualizar seus dados.

A Bahia é o Estado com maior número de famílias beneficiadas pelo programa de distribuição de renda lançado no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Mais de 1,7 milhão de famílias baianas recebem o Bolsa Família.

O segundo Estado em número de beneficiados pelo programa é São Paulo, com 1,2 milhão de famílias. Minas Gerais vem em terceiro lugar, com 1,1 milhão de famílias.

Informações do R7

NOTÍCIAS NO E-MAIL

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Mais lidas

Instagram