Água do mar para beber



A água potável do planeta é um recurso finito, prejudicado diretamente pelo uso e desperdício em excesso, por fenômenos naturais como as secas e mudanças climáticas influenciadas pela ação poluidora do homem na Terra.
Alguns países, como Cingapura (Ásia) e Namíbia (África), já se utilizam do tratamento da água proveniente até mesmo da rede de esgoto, e disponibilizam-na suficientemente pura para ser consumida pela população. Outros países árabes, como Israel, por exemplo, detêm usinas de dessalinização com capacidade para produzir milhões de litros de água potável por dia.
A dessalinização é um processo de retirada do excesso de sal e impurezas da água do mar (que representa 97% da hidrosfera). Essa tecnologia existe há cerca de 8 décadas, originária de regiões que não possuíam recursos aquíferos naturais e dependiam da água do mar para realizar as tarefas diárias, como tomar banho ou cozinhar, e necessitavam de água potável para beber.
Sustentabilidade
Uma empresa brasileira, a Aquamare, estabelecida na praia de Bertioga, no litoral norte de São Paulo, resolveu investir na tecnologia e transformar água salgada do mar em água pura para beber, oferecendo um produto diferenciado aliado a um alto grau de potabilidade e hidratação, e com consciência ambiental.
“Nossa empresa trabalha com conceitos de sustentabilidade. A grande preocupação está em não poluir. Porque todo o processo de poluição dos rios das cidades, por exemplo, está rareando e encarecendo a produção de água potável para a população. É uma questão cultural e de consciência em deixar um legado”, afirma Rolando Viviani Jr., diretor de Marketing da empresa.
A estrutura da empresa é enxuta, com capacidade para produzir 40 mil litros por dia. Em Bertioga, realiza-se todo o processo de dessalinização, enquanto o envase acontece em uma fábrica na capital paulista. As garrafas pets da água dessalinizada são recicladas, mais maleáveis, e têm 27% menos plástico do que as tradicionais.
Toda essa ação colabora com a preservação dos recursos naturais e poupa matéria-prima para o futuro. “Primeiro, não exploramos recursos hídricos. Segundo, temos uma previsão de que até 2018 nossa produção seja totalmente autônoma, a ponto de utilizar o vento e o sol para produzir energia e movimentar nossos equipamentos sem energia elétrica”, conta o diretor de marketing.
Qualidade de vida
O intuito do processo de dessalinização da empresa é proveniente de um conceito chamado talassoterapia, que significa trazer os benefícios da água do mar para as pessoas.
“É uma técnica muito antiga, da época dos gregos e romanos. Se você pegar a lama da região do mar morto, do rio Jordão, encontrará propriedades terapêuticas, porque vem muito concentrada com macro e micronutrientes minerais. Os oligoelementos, por exemplo, atuam diretamente nas células do organismo e, principalmente, na parte dermatológica”, diz Jr..
A aplicação do conceito de talassoterapia e a criação de um equipamento acoplado à máquina de dessalinização faz o controle dos minerais durante o processo. O resultado é uma água extremamente leve (que pode até mesmo receber carbonatação – adição de gás), se comparada a outras, e muito rica em nutrientes. São mais de 60, do total de 86 minerais encontrados na água do mar.
“Todo o cloreto de sódio, que é o sal de cozinha, é retirado e fica apenas o sódio como mineral natural, nada sintético. Por isso não há risco de aumento de pressão nem de pedras no rim. A água dessalinizada traz uma carga superior de propriedades. São mais de 60 minerais, quantidade muito interessante para nutrir e hidratar o organismo, se ingerido de um a dois copos na dieta diária de qualquer pessoa”, explica o diretor.
Mercado
Inicialmente, a água dessalinizada foi comercializada apenas fora do Brasil, em países da Europa e Estados Unidos. No segundo semestre desse ano, a empresa já deve abrir uma unidade de produção norte-americana. E os primeiros contatos com o mercado asiático já foram estabelecidos.
Chegando agora ao mercado nacional – por conta dos trâmites e adaptações na legislação brasileira sobre comercialização e envase, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) –, a água dessalinizada deve complementar o consumo diário da água mineral.
A intenção não é competir com a água mineral. A Aquamare atenderá o grande varejo, o público infantil (com o personagem Bob Esponja) e também o segmento fitness. Pessoas preocupadas com o bem-estar e saúde já representam 30% da população na Europa e 20% dos norte-americanos. No Brasil, esse índice corresponde a 6% da população. Informações do Arca Universal.

NOTÍCIAS NO E-MAIL

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Mais lidas

Instagram